Ansiedade X Competição

Ansiedade em competições é um achado frequente em atletas de CrossFit. Embora fatores como idade e nível de desempenho não pareçam impactar significativamente, a natureza e magnitude dos medos relatados, as mulheres podem ser mais vulneráveis a esses fatores que os homens.

O estudo foi realizado com 79 atletas de CrossFit da Alemanha, sendo 36 homens e 43 mulheres, 50% RX e participando de 2 a 3 competições por ano. O objetivo foi analisar o nível de ansiedade dos atletas frente a competição utilizando o índice Wettkampf–Angst, que, analisa fatores como nervosismo, excitação e dúvidas, e habilidades de enfrentamento (adversidade, picos de pressão, estabelecimento de metas e preparação mental, coachability, concentração, confiança e motivação para conquista, liberdade de preocupação).

Comparadas aos homens, as mulheres relataram maior medo e preocupação, e menores níveis de habilidades de enfrentamento. Porém, não houve diferença quanto ao distúrbio de concentração.

Um dado interessante, é que o volume de treinamento e inversamente proporcional a preocupação e distúrbios de concentração, ou seja, quanto maior o volume de treino, menos preocupado e mais concentrado. Além disso, maior volume de treino impactou em maiores habilidades de enfrentamento, tais como: confiança, estabelecimento de metas e performance sobre pressão.

Maiores níveis de performance também foram positivamente associados a menor preocupação, porém a performance não obteve impactos positivos na concentração e também em habilidades de enfrentamento, com exceção a performance sobre pressão.

Outros fatores, como idade (experiência) não foram relevantes para determinar o nível de ansiedade.  

Visto isso, entende-se a importância do papel do psicologo do Esporte nesse cenário, a preparação psicológica do atleta permite que esse desempenhe seu condicionamento de maneira semelhante à treinada, identificando e não deixando que o ambiente externo influenciado pelo público e cobranças pessoais atrapalhem sua performance.

O medo de falhar influencia diretamente em fatores fisiológicos que levam ao aumento do sistema nervoso simpático, ou seja, luta ou fuga. Luta ou fuga é normalmente ativado em situações assim, porém, quando em excesso, esse sistema eleva os batimentos cardíacos além do ideal, aumentando frequência respiratória e trazendo fadiga precipitada ao atleta.

Referência: Wile, Pfarr, Moller. Even Warriors Can Be Scared: A Survey Assessing Anxiety and Coping Skills in Competitive CrossFit Athletes. Int. J. Environ. Res. Public Health 2020, 17, 1874; doi:10.3390/ijerph17061874                          

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.