Barriga de chopp?

Talvez não sirva para você, mas tenho certeza que alguém próximo pode se beneficiar. Avise-o.

Excesso de gordura visceral está diretamente ligado com a tolerância a glicose e resistência a insulina, desenvolvimento de Diabetes tipo 2, síndrome metabólica e podendo trazer problemas cardíacos. Mas também, pode ser um marcador de um tecido adiposo disfuncional sendo incapaz de armazenar adequadamente o excesso de energia.

Tecido adiposo é uma glândula endócrina sensível à hormônios e que libera outros hormômios. Quando em excesso deixa o indivíduo inflamado, acarretando diversas problemas para a saúde.

A gordura visceral acontece quando corpo perde, por algum motivo, a capacidade de lidar com o excesso de calorias (resultante do excesso calórico, estilo de vida sedentário/stress ou patologias). ㅤ

Há evidências sugerindo que se o acúmulo de gordura for canalizado para o tecido adiposo subcutâneo (esse que você consegue pegar), mesmo engordando o individuo estaria protegido contra síndrome metabólica. Isso em um primeiro momento, pois o ganho de peso após um período passaria a trazer consequências ruins.

No entanto, nos casos em qual tecido adiposo é ausente, deficiente ou resistente à insulina com capacidade limitada de armazenar o excesso de energia, o excedente triacilglicerol será depositado em locais indesejáveis como o fígado, o coração, o músculo esquelético e visceras – conhecido como deposição de gordura ectópica.

Os fatores mais simples para a detecção de excesso de Gordura Visceral é a presença simultânea de aumento da circunferência da cintura (cintura hipertrigliceridêmica) e níveis de triacilgliceróis . Essa barrigona pode ser um forte indicativo de complicações cardiovasculares atuais ou futuras. E índice de mortalidade.

Homens possuem mais facilidade para ter gordura visceral, enquanto as mulheres de ter subcutânea (o que tbm não é bom). O lado “bom” é que essa gordura é sensível à dieta e a exercícios físicos. Então, o primeiro passo para melhorar esse quadro é mudar seu estilo de vida.

Abs, Lincoln Almeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.