Balanço energético, Necessidade e Disponibilidade de energia

Uma ingestão adequada de energia é crucial na dieta do atleta, pois suporta a função corporal ideal, determina a capacidade de ingestão de macronutrientes e micronutrientes e auxilia na manipulação da composição corporal.

Os requisitos de energia de um atleta dependem do treinamento periódico e do ciclo de competição e variam de um dia para o outro ao longo do treinamento anual, ciclos relativos às mudanças no volume e intensidade do treinamento. Também, alguns fatores aumentam as necessidades de energia acima dos níveis normais e incluem a exposição ao frio ou calor, medo, estresse, exposição a grandes altitudes, alguns fatores físicos lesões, drogas ou medicamentos específicos, aumento da massa livre de gordura e, possivelmente, a fase lútea do ciclo menstrual.

Além das reduções no treinamento, os requisitos de energia são reduzidos pelo envelhecimento, diminuição a massa livre de gordura (FFM) e, possivelmente, a fase folicular do ciclo menstrual.

O balanço energético ocorre quando a ingestão total de energia (EI) é igual à Gasto energético total (GET), que por sua vez consiste no somatório da taxa metabólica basal (TMB), o Efeito térmico dos Alimentos (TEF) e Efeito Térmico da Atividade (TEA).

Técnicas usadas para medir ou estimar componentes de ETE em populações sedentárias e moderadamente ativas também podem ser aplicadas a atletas, mas existem algumas limitações nessa abordagem, principalmente em atletas altamente competitivos.

Como a medição da TMB exige que os indivíduos permaneçam exclusivamente em repouso, é mais prático medir a taxa metabólica de repouso (RMR), que pode ser 10% maior. Embora as equações de regressão específicas da população sejam encorajadas, uma estimativa razoável da TMB pode ser obtida usando as equações de Cunningham  ou Harris-Benedict, com um fator de atividade apropriado sendo aplicado para estimar o GET.  

Enquanto o RMR (taxa metabólica em repouso) representa 60% a 80% do GET para indivíduos sedentários, pode ser de 38% a 47% do GET para atletas de elite, que podem ter um TEA tão alto quanto 50% do GET. O que inclui calorias gastas com exercícios, exercícios espontâneos, atividade física, e termogênese sem atividade de exercício.

O gasto de energia do exercício (TEA) pode ser estimado de várias maneiras a partir de registros de atividades (duração de 1 a 7 dias) com estimativas subjetivas da intensidade do exercício usando códigos de atividade e equivalentes metabólicos (METs), diretrizes alimentares norte-americanas de 2015 e Dietary Reference Intakes (DRIs).

 Os dois últimos normalmente subestimam os requisitos dos atletas, uma vez que não conseguem cobrir a faixa no tamanho corporal ou nos níveis de atividade das populações competitivas. A disponibilidade de energia (EA) é um conceito de moeda recente na nutrição esportiva, que iguala a ingestão de energia com os requisitos de saúde e função ideais, em vez de balanço energético. A EA, definida como ingestão alimentar menos o gasto energético do exercício normalizado para a massa livre de gordura, é a quantidade de energia disponível para o corpo realizar todas as outras funções após o custo do exercício.

O conceito foi estudado pela primeira vez em mulheres, onde um EA de 45 kcal / kg massa livre de gordura / por dia esteve associado ao equilíbrio energético e à saúde ideal; enquanto isso, uma redução crônica da EA (particularmente abaixo de 30 kcal / kg de massa livre de gordura / por dia) foi associada a comprometimentos de várias funções corporais.

Exemplo de cálculo:

Peso corporal 60kg

Percentual de gordura corporal 20% – 60kg x 20% = 12kg

Massa livre de gordura = 60 – 12 = 48kg massa livre de gordura

Calorias da dieta, nesse exemplo a atleta está consumindo 2.400 Kcal por dia.

Treina cerca de 2h por dia e gasta 500 calorias por dia no treino.

Então, 2.400 kcal – 500 kCal = 1.900 kcal de energia disponível para as funções metabólicas.

1.900 kcal dividido pela massa livre de gordura, tem-se

1900 / 48 =  39,6 kcal por kg de massa livre de gordura por dia.

Ou seja, a atleta em questão está consumindo energia o suficiente.

Ou seja, para saber se está consumindo calorias o suficiente, é preciso saber quantas calorias possui a sua dieta e a média de calorias gastas nas sessões de treino.

EA baixo pode ocorrer devido a consumo energético insuficiente, GET alto ou uma combinação dos dois. Pode estar associado a uma desordem alimentar, a um programa mal orientado ou programa para perda de peso rápido ou a falha inadvertida em atender às necessidades de energia durante um período de treinamento ou competição em alto volume.

O conceito de EA emergiu do estudo da Tríade de Atleta Feminina ( Triad), que começou como um reconhecimento da inter-relação de problemas clínicos com desordem alimentar, disfunção menstrual e baixa densidade mineral óssea em atletas do sexo feminino e evoluiu para uma compreensão mais ampla das preocupações associadas a qualquer movimento ao longo do espectro, longe da energia ideal disponibilidade, status menstrual e saúde óssea.

 Embora não esteja incorporado no espectro da tríade, é reconhecido que outras consequências fisiológicas podem resultar de um dos componentes da tríade em atletas do sexo feminino, como endócrinas, gastrointestinais,  disfunção renal, neuro-psiquiátrica, musculoesquelética e cardiovascular.

De fato, uma extensão da Tríade foi proposta, Deficiência Relativa de Energia no Esporte (RED-S), como uma descrição inclusiva de todo o conjunto de complicações fisiológicas observadas em atletas masculinos e femininos que consomem dietas baixas em calorias.

Especificamente, as consequências para a saúde do RED-S podem afetar negativamente a função menstrual, a saúde óssea, endócrina, metabólica, metabólica, hematológica, crescimento e desenvolvimento, sistemas psicológicos, cardiovasculares, gastrointestinais e imunológicos. Os efeitos potenciais no desempenho do RED-S podem incluir diminuição da resistência, aumento do risco de lesões, diminuição da resposta ao treinamento, comprometimento da coordenação, diminuição da concentração, diminuição da concentração, irritabilidade, depressão, diminuição dos estoques de glicogênio e diminuição da força muscular.

Deve-se considerar que EA baixa não é sinônimo de perda de peso; de fato, se uma redução na EA estiver associada a uma redução na RMR, ela poderá produzir um novo estado estacionário de balanço energético ou estabilidade de peso com uma ingestão de energia reduzida que é insuficiente para fornecer uma função corporal saudável.

Independentemente da terminologia, é evidente que baixos níveis de calorias disponíveis em atletas do sexo masculino e feminino podem comprometer o desempenho atlético a curto e longo prazo. As diretrizes de triagem e tratamento foram estabelecidas para o gerenciamento de baixos níveis de EA, e devem incluir avaliação com o recurso de Transtorno Alimentar, o DSM-5, que inclui mudanças nos critérios de transtorno alimentar. Em reverter pelo menos algumas funções corporais prejudicadas; por exemplo, em um estudo de 6 meses com atletas do sexo feminino com disfunção menstrual, o tratamento dietético para aumentar a EA para ~ 40 kcal / kg massa livre de gordura / dia resultou na retomada da menstruação em todos os indivíduos em uma média de 2,6 meses.

Abs, Lincoln Almeida

Fonte: Nutrition and Athletic Performance – American College Of Sports Nutrition – 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.