Me lesionei: E agora, o que comer?

Quando se tem uma lesão, a maioria das pessoas tende a reduzir as calorias da dieta, muitas  vezes, até intuitivamente. Isso é coerente porque o volume, frequência e intensidade do treino caem. Por sentir menos fome e também pelo medo de engordar, as pessoas reduzem passam a comer menos.

O problema é quando essa redução calórica é muito drástica, pois é preciso lembrar que existe um fator de injuria, há um tecido lesionado que precisa de nutrientes para se recuperar.

Quando diminui muito as calorias está diretamente prejudicando a sua recuperação. Importante ressaltar que no período que não treinar, há uma redução na sensibilidade à insulina do tecido lesionado. Essa resistência à insulina diminui a entrada de glicose nas células do tecido e também reduz o anabolismo/recuperação, problema que é gravado pelo uso de anti-inflamatórios.

O uso dos anti-inflamatórios na fase aguda é importante porque ele permite controle da dor, porém no longo prazo pode prejudicar, justamente porque a inflamação é importante e necessária para que haja a recuperação. Os anti-inflamatórios aumentam a resistência anabólica, muitas vezes devido o efeito analgésico. Ou seja,  você não sente a dor e acaba exercitando de novo o músculo lesionado ou o tendão lesionado, a lesão é agravada novamente e você nunca vai se recuperar.

Diretamente com a nutrição pouco pode-se fazer porque sempre vai acompanhar o descanso, a fisioterapia e a volta aos treinos. Uma recomendação fica para o aumento de proteínas e a não redução drástica de carboidratos, pois glicogênio presente naquele músculo e presente no local lesionado é de extrema importância para a recuperação.

Também, neste caso, sugestão fica na redução das gorduras saturadas e aumento da proporção de ácidos graxos poli-insaturados, e também aumento de Omega 3 e diminuição do consumo de ácidos graxo ômega 6. Deixando em 5 para 1. Ou seja, a cada 5g de Omega 6, consumir 1 de Omega 3.

Um bom começo para divisão da dieta em caso de lesão que diminua a mobilidade é:

Proteína 2.2 a 2.5g por kg

Carboidrato – 2.5 a 3g por kg

Gordura – 1g por kg

Consumo de frutas e vegetais são essenciais para o processo de recuperação, principalmente pelo conteúdo de vitaminas minerais e fitoquímicos antioxidantes que também auxiliam no processo de recuperação.

 E o foco Total voltado a recuperação. Porque o primeiro pensamento que se tem é “eu vou perder performance nesse processo de recuperação” e esso é um pensamento totalmente errado. Pensamento correto deve ser “eu preciso focar inteiramente na recuperação porque é isso que vai promover no longo prazo a minha melhora na performance”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.